Projeto de lei sugere novo formato de semáforo para ajudar daltônicos



semaforo_200x212.jpg

A Câmara dos Deputados avalia uma proposta para alterar o formato das luzes dos semáforos com o objetivo de facilitar a correta identificação dos sinais luminosos por pessoas daltônicas, que têm dificuldades para identificar e diferenciar algumas cores.

Atualmente, o exame de habilitação exige que o candidato diferencie o vermelho, o verde e o amarelo, por motivos de segurança. O Projeto de Lei 1461/07 determina que o semáforo para veículos tenha o formato quadrado para a luz vermelha, circular para a luz amarela e triangular para a luz verde. A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97).

O projeto define prazo de 180 dias para que a autoridade ou entidade de trânsito adote o novo formato em pelo menos 50% dos semáforos sob sua responsabilidade. Em 360 dias, todos os semáforos deverão ser modificados.

Segundo o autor da proposta, Leonardo Quintão (PMDB-MG), a mudança vai integrar os daltônicos ao trânsito com segurança. Ele lembrou que outros tipos de sinalização já podem ser identificados por portadores dos mais variados tipos de daltonismo, e mesmo pelos acromatas (pessoas que enxergam em preto e branco). É preciso, agora, segundo ele, adaptar os semáforos.

Segundo o deputado, há quase 15 milhões de brasileiros daltônicos, o que representa aproximadamente 8% da população.

Por IDG Now!




5 Comentários em “Projeto de lei sugere novo formato de semáforo para ajudar daltônicos”

  1. jaime harasic 13 dezembro 2009 at 15:58 #
    Hola soy el inventor del semaforo para daltonicos, desearia ponerme en contacto con el senador del proyecto de ley de semaforos para daltonicos, puedes ver el semaforo en la web http://www.daltonicosnoanonimos.or por favor avisame el recibo de este mail.

    Muchas gracias
    Espero que Brasil sea el primer pais del mundo en permitir a los daltonicos conducir con seguridad.

  2. jose 5 dezembro 2010 at 9:06 #
    eles tem que criar vergonha na cara e solucionar este problema logo, para que que pagamos imposto até de uma bala de mascar, o imposto tem que se investido para nosso bem mesmo, espero que as altoridades resolvam esse problema que é muito simples
  3. Emerson 10 janeiro 2011 at 9:30 #
    Essa é uma questão que me questiona sobre a real necessidade de gastos adicionais. Que melhorias precisam ser feitas e em várias situações de transito disto não temos duvida. Mas, a pergunta que fica é simples. A muito tempo o sinal vermelho é o de cima, o amarelo do meio e o verde não é o de baixo? Nos sinaleiros modernos o vermelho não está a esquerda, o amarelo ao centro e o verde a direita naquelas luzes que vão descendo indicando tempo para aberto e fechado? Essa lógica me parece simples até para daltonicos. Agora, se não puder distinguir uma luz acesa de uma apagada, ai o problema é deixar alguém dirigir mesmo! Esse é o tipo de gasto com nosso dinheiro que imagino ir para o ralo e de forma imediata (dentro de 180 dias) ou para alguma empresa de participação de deputados? Que tal tornar crime quem usa celular ao dirigir, o transito vai melhorar com certeza?
  4. JAF 8 abril 2011 at 11:59 #
    Galera… e as sinaleiras de carros?
    Um daltonico conseguirá distinguir entre uma luz de freio e uma luz de ré? ou teremos que baixar uma lei para todos os carros terem triangulos e quadrados na lanterna traseira?
    E as placas de transito, que se destacam das demais placas de publicidade justamente por sua cor, como seria o comportamento do daltonico? Não é preconceito, mas como o colega acima falou, é uma lei besta afim de gerar lucro, como o novo plug de tomada e o kit de primeiro socorros. Com certeza alguma empresa de algum deputado ou alguém proximo já tem este modelo de sinaleira pra lançar no mercado antes das outras e cobrir a demanda.
  5. Helton 19 setembro 2011 at 0:17 #
    Não entendo porque isso… a de cima é a vermelha, a do meio a amarela e a de baixo a verde. Resolvido o problema de quem não consegue identificar por cor… identifique por posição, não precisa mudar nada.

Deixe um Comentário